Seguidores

segunda-feira, 24 de abril de 2017

Soneto Poeta Louco - Alexandrino

Faço verso comprido e que nunca termina
Eu procuro o sentido e ficou tudo errado
Isto surgiu de mim? Não, louco é quem assina!
Na calada da noite eu me sinto emperrado


Observo a folha escrita, é visão que alucina
Nela está meu amor, admito, eu sou culpado
Sei que sou desumano, o inferno é minha sina
Apago o que escrevi, mas surge do outro lado!

Imploro por perdão, meu pranto encharca o escrito...
Vejo um afogamento e o coração palpita
E nem chorar eu posso e liberto o meu grito

Faço verso comprido e me afogo no vinho...
Meu amor está preso, esta linha é maldita!
Sinto que fui vencido e vou dormir sozinho

Janete Sales Dany
Poema@registrado e imortalizado
na Biblioteca do Rio de Janeiro
No livro Soneto Manto Santo e outras - Página 07


O poeta fez versos para o seu amor,
mas viu que ela ficou presa na folha!
E ele chorou, chorou...
Exemplo de Soneto Alexandrino

Sílabas tônicas que são obrigatórias na 6ª e 12ª sílabas

Fa/ço /ver/so /com/PRI/do e /me a/fo/go/ no/ VIN/ho...

Meu/ a/mor/ es/tá/ PRE/so, es/ta/ lin/ha é/ mal/DI/ta!

Sin/to /que/ fui/ ven/CI/do e/ vou/ dor/mir/ so/ZIN/ho

Um soneto alexandrino possui 14 versos, 4 estrofes.
Dois hemistíquios cada um com 6 sílabas.

Definição de Hemistíquio: Metade de um verso cortado pela cesura.
(Vejo um afogamento)
(e o coração palpita)
Ve/jo um/ a/fo/ga/MEN/to e o /co/ra/ção/ pal/PI/ta
A elisão dos dois versos se deram com as palavras: "to e o" 



quarta-feira, 19 de abril de 2017

Antologia Vários Autores: Minha Participação Em Cinco Livros

Dois livros nas Antologias do
 Grupo Editorial Beco dos Poetas:

Alma de poeta 
Soneto Alma de Amor - Página 35
Soneto Jarro Sedutor - Página 36
O Milagre Oculto no Azul do Céu - Página 37
Renascerá um ser que ainda há em nós - Página 38
Essência e tamanho...Coisas tão diferentes - Página 39


 A lua sobre nós
O amor morre e não vejo compaixão - Página 44
Vida quero te olhar de frente - Página 45
Anjo sem asas - Página 46

Tendo também três livros na
 Antologia Platinum - Editor Prima Obra:


Platinum II 
Soneto Estátua Imortal - Página 81
Pensamento de um Passarinho - Página 82
Soneto Criança Abandonada - Página 83
Eu quero te contar o meu segredo - Página 84
Soneto Cigano - Decassílabo Heroico - Pagina 85
Trago em mim toda fantasia da poesia - Pagina 86
Vate Sem Sorriso - Página 87
Uma Rosa é a razão - Página 88
É assim que eu te amo - Página 89
Soneto Alma Poeta - Página 90



Platinum IV - 
Soneto Solidão Decassílabo Heroico- Página 69
Aprendi a lutar contra a falsidade - Página 70
Em nosso ninho sou teu passarinho - Página 71
Somos anjos a olhar a imensidão! - Página 72
Lobo que não pode uivar... - Página 73
O homem que guardava tudo - Página 74
As asas cruéis da solidão - Página 75
Soneto Fonte do Amor - Página 76
Soneto Palhaço Fingido - Página 77
Soneto do Amanhecer - Página 78


Platinum XIV – Solariun
Soneto Mar Decassílabo Heroico- Página 69
Soneto Livro Triste - Página 70
A ilusão se desfez na minha mão - Página 71
Soneto Gótico- Página 72
Soneto Fera Cativa - Página 73
Ode que saiu da minha alma - Página 74
Soneto Rio Doce - Página 75
Belo Hino que Amo: Soneto e Acróstico - Página 76
Soneto Instinto Predador - Página 77
Soneto Coração Cigano- Página 78

CARTEIRA DE ESCRITOR (a) -PRIMA OBRA - EDITORA
Certificação e proteção de sua obra intelectual.
Escritores (as);da Platinum II. 
Janete Sales Dany - ISBN 978-85-448-0329-5
Antonio Ramos da Silva - Editor

 BOOkeSS - Livros de Janete Sales Dany:

Participação na “Revista Viva Cultura” 2ª edição
Associação Artística Janet Finatti 
Eventos culturais de Varginha-MG

Com o Poema: O Algoz de Pássaros - Página 03

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Desenhe-se todo dia

Cuidado com as atitudes, 
elas são desenhos feitos no tempo 
e não se apagam.
Prazeroso é olhar para trás 
e se ver entre as cores arco-íris.
Triste é olhar para trás 
e ver a escuridão de atos cruéis.
Desenhe-se todo dia, 
mas faça desenhos 
na qual você nunca queira apagar...

Janete Sales Dany
Texto @ registrado e imortalizado 
na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro

Usei várias sequências de fotos
do meu rosto tentei centralizar
os olhos e a boca nas fotos.
Fiz no PhotoScape programa gratuito.

domingo, 9 de abril de 2017

SONETO VERMELHO - Decassílabo Heroico

Sou cor eletrizante a se mostrar
Vermelho do vulcão em erupção 
Lampejo no meu céu, a se alastrar!
São sentimentos puros, emoção...
Talvez haja quem possa decifrar...
O que sou nesta vida? Mutação!
Vejo sopro em mim a me orquestrar
Sou contento e pesar de uma canção
Respiro no carmim da fantasia
A minha rima sangra neste verso
Rasguei meu coração nesta poesia!
Logo botões de rosas vão se abrir
Vermelhas, enfeitando este universo...
Sou pranto, mas também alma a sorrir!

Janete Sales Dany
Poema@registrado e imortalizado
na Biblioteca do Rio de Janeiro
No livro Soneto Manto Santo e outras - Página 08

Demonstração da métrica poética
deste soneto decassílabo heroico.
​​​​​​​Acentuação tônica na sexta e décima sílaba
Para realizar a metrificação poética 
é preciso ter ouvidos atentos



Algumas vogais se unem e são separadas 
de forma diferente da contagem silábica gramatical
Neste soneto um exemplo vou dar
separação de sílaba poética "escansão" :


Lam/pe/jo/ no/ meu /céu/, a /se a/las/trar!
São/ sen/ti/men/tos/ pu/ros,/ e/mo/ção...


Utilizei os programas gratuítos:
Gimp e o PhotoScape para fazer o GIF.

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Soneto Renascer - Alexandrino


Nasce um novo momento em que eu posso sorrir
Nos meus olhos um brilho, e nunca vi na vida
O céu parece leve, a alma tenta se abrir!
Luz, em volta de mim! Entra, e sara a ferida...

Surgem asas e avanço. O viço a me vestir!
Já senti dor imensa e encarei só descida...
Caminho feito em pedra e sempre a me ferir...
Procurava um socorro, uma graça na vida!

Hoje é belo o cenário, é como renascer
Desce chuva de amor e entra no coração
Clarão do sol em mim, louvando o alvorecer!

A beleza se expressa e canta o passarinho
Almejando emoção... Ternura na canção
Uma essência tão livre, a florir meu caminho!

Janete Sales Dany

Poema@registrado e imortalizado
na Biblioteca do Rio de Janeiro
No livro Soneto Manto Santo e outras

Exemplo de Soneto Alexandrino

Sílabas tônicas que são obrigatórias 

na 6ª e 12ª sílaba. Possui 14 versos, 4 estrofes.


Algumas vogais se unem e são separadas 
de forma diferente da contagem silábica gramatical

Neste soneto um exemplo vou dar
separação de sílaba poética "escansão" :

Nas/ce um/ no/vo/ mo/men/
to em/ que eu /po/sso/ so/rrir

Na composição de cada verso dois hemistíquios
e neste foram unidos por estas palavras:/to em/
Gif elaborado com