Seguidores

terça-feira, 13 de junho de 2017

Soneto: Escansão - Sílaba poética (métrica).


São dois modelos de soneto 
que eu mais aprecio:


Soneto Decassílabo Heroico
4 estrofes, sendo 2 quartetos seguidos por 2 tercetos
Versos heroicos
Um ponto importante é a métrica,
todas as linhas com 10 sílabas poéticas
Acentuação tônica na 6ª e 10ª sílabas

Soneto Alexandrino
Sílabas tônicas que são obrigatórias
na 6ª e 12ª sílaba
14 versos, 4 estrofes
Dois hemistíquios cada um com 6 sílabas


Isto serve para qualquer soneto:
Não esquecendo que na métrica poética
a contagem de números de sílabas
termina na última sílaba tônica de cada verso.

Quero apresentar a divisão silábica ( Métrica) 
destes dois exemplos de sonetos:

És dos Céus o Composto Mais Brilhante
Bocage :Soneto Decassílabo Heroico


Marília, nos teus olhos buliçosos
Ma/rí/lia/, nos/ teus/ o/lhos/ bu/li/ço/sos  
Os Amores gentis seu facho acendem; 
Os/ A/mo/res/ gen/tis/ seu/ fa/cho a/cen/dem; 
A teus lábios, voando, os ares fendem 
A/ teus/ lá/bios/, vo/an/do, os/ a/res/ fen/dem 
Terníssimos desejos sequiosos. 
Ter/ní/ssi/mos/ de /se/jos/ se/qui/o/sos. 

Teus cabelos subtis e luminosos 
Teus /ca/be/los/ sub/tis/ e/ lu/mi/no/sos 
Mil vistas cegam, mil vontades prendem; 
Mil /vis/tas /ce/gam, /mil /von/ta/des/ pren/dem; 
E em arte aos de Minerva se não rendem 
E em /ar/te aos/ de /Mi/ner/va/ se /não/ ren/dem 
Teus alvos, curtos dedos melindrosos. 
Teus/ al/vos,/ cur/tos/ de/dos/ me/lin/dro/sos. 

Reside em teus costumes a candura, 
Re/si/de em/ teus/ cos/tu/mes/ a/ can/du/ra, 
Mora a firmeza no teu peito amante, 
Mo/ra a/ fir/me/za /no/ teu/ pei/to a/man/te, 
A razão com teus risos se mistura. 
A/ ra/zão/ com/ teus/ ri/sos/ se /mis/tu/ra. 

És dos Céus o composto mais brilhante; 
És/ do/ Céus /o /com/pos/to/ mais/ bri/lhan/te; 
Deram-se as mãos Virtude e Formosura, 
De/ram/-se as/ mãos/ Vir/tu/de e/For/mo/su/ra, 
Para criar tua alma e teu semblante. 
Pa/ra/ cri/ar/ tu/a al/ma e /teu /sem/blan/te.

Bocage, in 'Sonetos'




E agora como exemplo de  Métrica 
de um  Soneto Alexandrino,
colocarei um de minha autoria:




Soneto Renascer 
Escansão" Métrica poética"
deste Alexandrino

Nasce um novo momento em que eu posso sorrir
Nas/ce um/ no/vo /mo/men/to em/ que eu /po/sso/ so/rrir
Nos meus olhos um brilho, e nunca vi na vida
Nos/ meus/ o/lhos /um/ bri/lho, e /nun/ca/ vi /na/ vi/da
O céu parece leve, a alma tenta se abrir!
O /céu/ pa/re/ce/ le/ve, a al/ma/ ten/ta /se a/brir!
Luz, em volta de mim! Entra, e sara a ferida...
Luz/, em/ vol/ta /de/ mim! /En /tra, e/ sa/ra a /fe/ri/da...

Surgem asas e avanço. O viço a me vestir!
Sur/gem/ a/sas /e a/van/ço. O/ vi/ço a/ me/ ves/tir!
Já senti dor imensa e encarei só descida...
Já/ sen/ti/ dor/ i/men/sa e en/ca/rei/ só/ des/ci/da...
Caminho feito em pedra e sempre a me ferir...
Ca/min/ho/ fei/to em/ pe/dra e /sem/pre a/ me/ fe/rir...
Procurava um socorro, uma graça na vida!
Pro/cu/ra/va um/ so/co/rro, u/ma/ gra/ça/na/ vi/da!

Hoje é belo o cenário, é como renascer
Ho/je é/ be/lo o /ce//rio, é/ co/mo/ re/nas/cer
Desce chuva de amor e entra no coração
Des/ce/ chu/va /de a/mor/ e en/tra/ no /co/ra/ção
Clarão do sol em mim, louvando o alvorecer!
Cla/rão/ do/ sol/ em/ mim,/ lou/van/do o al/vo/re/cer!

A beleza se expressa e canta o passarinho
A/ be/le/za/ se ex/pre/ssa e/ can/ta o /pa/ssa/rin/ho
Almejando emoção... Ternura na canção
Al/me/jan/do e/mo/ção/... Ter/nu/ra/ na/ can/ção
Uma essência tão livre, a florir meu caminho!
U/ma e/ssên/cia/ tão/ li/vre, a/ flo/rir/ meu/ca/min/ho!
Janete Sales Dany
Poema@registrado e imortalizado
na Biblioteca do Rio de Janeiro
No livro Soneto Manto Santo e outras


No Soneto Alexandrino, logo depois da sexta sílaba 
tônica ( cesura) do primeiro hemistíquio, começa a contagem do segundo hemistíquio.
Em cada parte devemos obedecer a regra:
 Hemistíquio com seis sílabas)
O primeiro hemistíquio pode terminar em oxítona, um exemplo:
Cla/rão/ do/ sol/ em/ mim,/
lou/van/do o al/vo/re/cer!
Ou terminar com uma paroxítona, outro exemplo:
U/ma e/ssên/cia/ tão/ li/

vre, a/ flo/rir/ meu/ca/min/ho!
Note que a elisão dos dois hemistíquios se deram
com as letras: vre, a
O primeiro hemistíquio jamais 
pode terminar com uma proparoxítona. 



Em meus Sonetos Alexandrinos 
cometi um erro, uma das regras:
Terminar todos os versos com palavras paroxítonas 
(chamadas de palavras graves por Bilac e Passos).
Em alguns de meus versos, 
não estive atenta a esta regra...Mil perdões.
Deixo esta observação para os leitores 
que buscam modelos de Sonetos Alexandrinos


Janete Sales Dany

2 comentários:

  1. Excelente explicação, uma maravilhosa aula, um dia quem sabe tento fazer um soneto...Linda tarde pra ti querida Janete.. bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bom dia querida Ana Maria. Sim, tente, logo que conseguir ficará muito entusiasmada, assim como fiquei... Fico feliz que apreciou. Uma honra tê-la presente aqui no Blog. Uma semana de paz Grande abraço Volte sempre.

      Excluir