Seguidores

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Água, Sol e Você



DEUS acendeu a luz 
quando fez o SOL


DEUS lavou a terra 
quando fez a ÁGUA


E encantou a vida 

quando fez VOCÊ!



Janete Sales Dany

12/13/2013
Poema@registrado e imortalizado
na Biblioteca Nacional
do Rio de Janeiro
No livro Deixe sua Luz Brilhar
página:08
Registro:606039
45 páginas

Fiz um vídeo com este poema:

Esta poesia serve para homenagear as pessoas... No dia do aniversário Serve também para levantar o astral de alguém Para dizer o quanto somos importantes... Viver já é um milagre Use conforme for sua vontade Porque o mais importante é saber... Que a terra ficou mais encantada no dia do nosso nascimento! Uma certeza: Deus nos ama




Licença Creative Commons
O trabalho Água, Sol e Você... de Janete Sales "Dany" foi licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivados 3.0 Não Adaptada.

quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

Hoje sou o silencio

ESTOU EM MIM 

Hoje sou o silêncio 
e em mim não faz barulho. 
Não se ouve 
um único sussurro. 
Ás vezes fico assim. 
Vivendo lá dentro de mim!

Janete Sales Dany
Poesia@ registrada e imortalizada
na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro
no livro: Deixe sua luz brilhar
Página: 18

Talvez Você goste deste Soneto:

SONETO RIO SECO - Decassílabo Heroico

domingo, 28 de janeiro de 2018

Ultimo Soneto - Soneto alexandrino


Fiz o último soneto, em plena primavera
Inspiração em dor, uma loucura minha
Tempestade enfezada, escarcéu na atmosfera
Andei na multidão... Também fiquei sozinha!

As flores da emoção... repletas de quimera!
A minha alma se abriu Vibrou tudo que tinha
Chorou no cemitério, onde a lembrança impera...
Buscou no céu a sorte e avistou a andorinha


Última ode de amor, e nunca mais encanto!
O que será de mim? Serei esquecimento...
Oh Deus, triste amanhã... Silêncio no recanto

As mãos sem coração... Visão sem fantasia!
Metamorfose brusca, um campo de lamento...
Vou ferindo os meus pés, e o que sangra é poesia...

Janete Sales Dany

Soneto@ Todos os direitos reservados
Registrado e imortalizado 
na Biblioteca Nacional do Rio de Janeiro
No Livro: Correntes do Medo e outras
Página 12

Soneto Alexandrino  

Separação de sílabas poéticas, passo a passo, 
mostrando os dois hemistíquios, 
e a sílaba tônica na sexta e décima segunda,
 regras do mesmo. 

14 versos, 4 estrofes 
Algumas vogais se unem 
e são separadas de forma diferente 
da contagem silábica gramatical

No Final uma frase de 
Oscar Wilde que aprecio muito:
“Todo o mundo sabe compadecer 
o sofrimento de um amigo,
mas é preciso ter uma alma realmente bonita 
para se apreciar o sucesso de um amigo.” 
― Oscar Wilde

Licença Creative Commons
O trabalho Último Soneto - Soneto Alexandrino de Janete Sales Dany está licenciado com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.